"Aproveite o curto dia da existência:

Viva. não economize o poder e a força de suas asas." (rumi)

Seguidores

quinta-feira, abril 28

A HORA DA MORTE

De todas as certezas que pode ter o ser humano, a morte é sem dúvida uma delas.
Quem nasce já está fadado à morte. Mensageira estranha, por vezes, abraça antes os mais jovens e os mais sadios, deixando para trás idosos e doentes.
Contudo, sempre chega. Paradoxalmente, é um dos assuntos que quase todo mundo evita tocar.
É por isso mesmo que, quando chega, sempre surpreende.
Também por esse motivo, muitas lágrimas são derramadas sobre os túmulos.
Lágrimas que se casam a exclamações como: “Ah, se eu soubesse que era o seu último dia! Se eu soubesse que ele iria morrer, não teria sido tão mau! Se eu soubesse que ele partiria tão cedo, teria abraçado mais, dito como o amava, sido melhor para ele.”
Por tudo isso, é bom considerar que nossa existência é muito efêmera. Hoje estamos aqui, amanhã poderemos não nos encontrar mais deste lado da vida.
O ser amado que se despede para o trabalho diário, pode não retornar. A criança que corre pela rua, rumo à escola, pode não voltar para casa.
Como a irmã daquele menino de apenas 10 anos. Ele entrou em casa e chamou pela mãe.
Ela estava no quarto, sentada, quieta.
“Sua irmã morreu esta manhã, Michael.” – foi o que disse.
O conceito de morte não tinha um significado concreto para aquele garotinho.
Durante muito tempo ele perguntava à mãe: “ela vai voltar? Por que ela teve de morrer?”
E ficava em frente à casa, esperando que o ônibus escolar a trouxesse de volta.
Entrava no quarto dela e apanhava a sua pasta escolar. Tudo estava bem arrumado – os cadernos de um lado, os livros do outro, o estojo de lápis no meio.
A faixa preta de elástico que ela usava nos cabelos quando foi para o colégio naquela manhã.
Depois, devolvia tudo certinho no seu lugar. Perguntava-se, se a irmã ficaria zangada por ele ter mexido em suas coisas.
O que ele realmente jamais esqueceria foi o que aconteceu duas noites antes da irmã morrer.
Ele esperou o ônibus que a trazia da escola. Estava preocupada. Esquecera de um trabalho de arte que devia entregar no dia seguinte.
Ele a foi ajudar e juntos fizeram 12 borboletas coloridas, de antenas enroladas e asas triangulares.
No dia em que ela morreu, ele estranhamente despertou mais cedo.
Observou-a se aprontando para a escola.
Como o vão da escada no prédio era muito escuro, ele ficou segurando a porta aberta para que a luz do apartamento a ajudasse enxergar os degraus.
Uma das mãos dela segurava a pasta, a outra balançava, enquanto descia os degraus.
Estava de uniforme azul. Tinha só 14 anos. E suas últimas palavras para Michael foram: “Até logo, irmão.”
Passadas mais de 4 décadas, Michael ainda guarda a lembrança de sua irmã.
Quando vê uma borboleta, recorda de imediato daquele último trabalho que fizeram juntos.
E espera. Porque, um dia, ele também fará essa viagem para o grande além.
Nesse dia, finalmente, ele a verá outra vez.
Ame muito. Usufrua a companhia dos afetos.
Quando um deles se for, poderá acalentar seus dias com as doces lembranças dos afagos compartilhados.
E isso amenizará sua grande saudade
.
Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita com base no artigo A despedida, de Michael Tan, da revista Seleções do Reader´s Digest, outubro/2005.

domingo, abril 24

Páscoa...

Sinal da vida, da ressurreição
Sinal do nascimento após a morte
Da alegria após a tristeza
Do sorriso após as lágrimas
Da paz após a tempestade
Ele que deu a vida por nós
Que perdoou as maldades do mundo
E ainda foi humilde o bastante para ser crucificado e dizer: Perdoai-vos, eles não sabem o que fazem...
Páscoa, símbolo do amor mais puro e nobre
Da fortaleza interior de sentimento e da vontade de ajudar ao próximo
Viver a Páscoa é ter o coração do mundo, abrir as portas da alma
É não esmerar esforços para reconhecer sua condição de ser falho
Amar incondicionalmente aqueles que lhe firam, pois o perdão é a saída de todos os males
Ele que buscou mostrar a todos que a guerra, inveja, luxúria e demais anseios são grandes vales profundos que trazem dor no viver
Ele que estendeu suas mãos para aqueles que lhe traíam nas costas, pois ensinava que deveriam ter mais uma chance
Ele que disse e pregou acerca do Amor, o amor de Deus, o amor fraternal, piedoso
Páscoa é mudar o caminho, acreditar no amanhã, dar mais um sorriso
É reconhecer seus defeitos e hoje ser uma pessoa melhor, de bons valores
É estender o braço para levantar o inimigo e ser humilde em não deixar-se levar pelo poder e pelo dinheiro
Sentimento de Páscoa é sentimento de humanidade, de ser cristão acima de tudo
Cristão não somente em cultos, mas em atitudes quotidianas
Cristão é ser irmão...
Ele foi cristão e acreditou que nós, simples mortais, fôssemos capaz de aplicar em nossas vidas seus ensinamentos
Páscoa, sentimento do mundo, de bondade, de justiça
De paz, de entrega desmedida, de caráter, de união!
(páscoa poemas de amor)